Sacerdote comenta valores jesuítas presentes no ministério de Francisco

Papa Francisco comemora 52 anos de ordenação sacerdotal nesta segunda-feira, 13

Denise Claro
Da redação

papa francisco padre jorge mario bergoglio daniel ibanez cna Society of Jesus via CNA Sacerdote comenta valores jesuítas presentes no ministério de Francisco

Jorge Mario Bergoglio eleito Papa e ainda sacerdote/ Fotos: Daniel Ibánez – CNA / Society of Jesus via CNA

Nesta segunda-feira, 13, o Papa Francisco comemora 52 anos de ordenação sacerdotal. Jorge Mario Bergoglio foi ordenado sacerdote, em 13 de dezembro de 1969, aos 32 anos de idade. O então arcebispo de Córdoba, Dom Ramon José Castellano, presidiu a celebração.

Onze anos antes, Bergoglio iniciava o noviciado jesuíta na cidade de Córdoba, na Argentina. Dentre os tantos carismas presentes na Igreja, o jovem Bergoglio ingressou na Companhia de Jesus.

“Entrei na Companhia de Jesus atraído por sua condição de vanguarda na Igreja desenvolvida com obediência e disciplina e por estar orientada ao labor missionário”, afirmou, certa vez, o Pontífice.

Padre Carlos Alberto Contieri é jesuíta e comenta que a Companhia de Jesus viveu com surpresa a eleição de Bergoglio como Papa.

“Assim como foi surpreendido o mundo inteiro pela eleição de um primeiro Papa Jesuíta na História da Igreja. É verdade também que atualmente nós participamos da gratidão de muitos pelo ministério petrino do Papa Francisco, pois ele tem aberto muitas janelas na Igreja, que arejam a vida da Igreja, fazem com que o sopro do Espírito circule entre nós. Gratidão também porque é fiel ao espírito do Concílio Vaticano II, o Papa Francisco tem permitido abrir-se para o mundo e para as questões mais graves da nossa humanidade, fazendo a Igreja servidora não só dos católicos, mas servidora da humanidade.”

Caminho Vocacional

Após pronunciar os primeiros votos, Bergoglio seguiu para a etapa do juniorato, no Chile. Após os estudos de humanidades, retornou à Argentina para conseguir a graduação em Filosofia na Universidade Católica. A etapa do magistério foi realizada entre os anos de 1964 e 1966 em dois locais: no Colégio Imaculada, na Província de Santa Fé e no Colégio do Salvador, em Buenos Aires. Logo após a etapa do magistério, Bergoglio estudou Teologia e, em 1969, foi ordenado presbítero.

Apenas quatro anos após a ordenação, realizou a última etapa de formação da Companhia, conhecida como Terceira Provação. Em 1973, foi incorporado definitivamente na Companhia com a Profissão Solene em que, além dos conselhos evangélicos, pronunciou o voto de obediência ao Sumo Pontífice acerca das Missões.

O sacerdócio de Francisco

capa 3 Sacerdote comenta valores jesuítas presentes no ministério de Francisco

Para Padre Contieri, a imagem é a que mais traduz o sacerdócio de Francisco./ Foto: Acabapress via Reuters

Padre Carlos Alberto afirma que, em sua opinião, a imagem que mais traduz o sacerdócio de Francisco é aquela carregando a ovelha sobre os ombros. E ressalta que Francisco é alguém totalmente voltado para o povo a quem ele serve, a quem ele foi chamado pelo Senhor a servir. Alguém que vive o seu sacerdócio, sobretudo nesses anos do seu pontificado, fazendo com que a Igreja volte os olhos para fora de si mesma, sem se descuidar de si, e veja todas as necessidades da humanidade, a quem a Igreja também é chamada a servir. Não só ao ser humano, mas também a toda a Casa Comum.

“Francisco vive o seu sacerdócio como uma entrega, assim como o Senhor não viveu para si mesmo, não veio para ser servido, mas para servir. Francisco é um servidor, e assim ele vive seu sacerdócio”, acrescenta.

Um Papa Jesuíta

Francisco é jesuíta. É homem de oração e de discernimento. A oração e o discernimento são dois elementos fundamentais para a vida do jesuíta. A espiritualidade inaciana está enraizada na experiência espiritual de Santo Inácio de Loyola cristalizada nos seus exercícios espirituais.”

O padre lembra que a finalidade dos exercícios espirituais, como o próprio Santo Inácio diz, é tirar de si as afeições desordenadas para buscar encontrar e realizar a vontade de Deus.

“A espiritualidade inaciana é uma espiritualidade cristocêntrica. Francisco é um homem apaixonado por Jesus Cristo, apaixonado pela Palavra de Deus, que inspira, que ilumina e conduz a vida propriamente dita. Francisco é um homem interior, é um homem que vive segundo o Espírito, no dizer de São Paulo. Isso é uma característica fundamental também da tradição inaciana.”

Uma das grandes contribuições que Inácio de Loyola deu à Igreja foi a descoberta da interioridade. Padre Contieri avalia que Francisco é, ao mesmo tempo, um homem profundamente interior, um homem de oração profunda, e por isso mesmo um homem que ilumina a vida da Igreja.

A Companhia de Jesus

Padre Contieri ressalta que a congregação está aberta a cooperar com o Papa Francisco, primeiro Papa jesuíta, em sua missão.

“Sobre Francisco, vigário de Cristo na terra, a Companhia de Jesus reitera, como sempre viveu, a sua disposição para que o vigário de Cristo, o Papa, possa enviar e pedir à Companhia o que for necessário, para que a Igreja e a humanidade possam ser servidas da melhor maneira possível, e a Companhia contribuir com o seu serviço, com o seu carisma para o bem da Igreja e para o bem da humanidade.”

O post Sacerdote comenta valores jesuítas presentes no ministério de Francisco apareceu primeiro em Notícias.

Fonte: Canção Nova
Data: Mon, 13 Dec 2021 11:10:57 +0000