ONU: grave abuso de direitos na região de Tigré, na Etiópia

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, apresentou um relatório sobre a situação

Da redação, com Vatican News

Michelle Bachelet Youtube pequena ONU: grave abuso de direitos na região de Tigré, na Etiópia

A Alta Comissária das Nações Unidas para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet / Foto: Reprodução Youtube

A chefe dos direitos das Nações Unidas, Michelle Bachelet, afirmou estar “profundamente perturbada” com relatos de contínuas violações e abusos dos direitos humanos contra civis na região de Tigré, na Etiópia, mais de seis meses desde o início dos combates na região.

O abuso continua

Michelle Bachelet disse que seu escritório recebeu relatos de graves violações do direito humanitário e abusos contra civis. Isso inclui execuções extrajudiciais, prisões e detenções arbitrárias, violência sexual contra crianças e adultos e deslocamento forçado.

Discursando na abertura da 47ª Sessão do Conselho de Direitos Humanos da ONU, de 21 de junho a 13 de julho, em Genebra, Bachelet apresentou seu relatório anual, seguido por um relatório sobre o papel central do Estado na resposta às pandemias e outras questões de saúde emergenciais.

Bachelet disse que havia “relatos confiáveis” de que os soldados eritreus ainda estavam por lá, apesar da promessa de partirem. O governo da Etiópia disse que responsabilizará aqueles que cometem abusos e que mais de 50 soldados estão sendo julgados por estupro ou assassinato de civis em Tigré. Mas não divulgou nenhum detalhe desses casos.

O conflito em Tigré

A guerra em Tigré começou em novembro como uma tentativa do primeiro-ministro etíope Abiy Ahmed de desarmar a rebelde Frente de Libertação do Povo Tigré (TPLF), um partido político e grupo paramilitar nacionalista.

De um lado estão guerrilheiros leais aos líderes expulsos e agora fugitivos de Tigré. Do outro, estão as tropas do governo etíope, tropas aliadas da Eritreia e milícias do grupo étnico Amhara da Etiópia que se consideram rivais dos guerrilheiros Tigray. Mais de 2 milhões dos 6 milhões de habitantes do Tigréjá fugiram.

Fome

As Nações Unidas e grupos de ajuda humanitária dizem que cerca de 350 mil pessoas em Tigréenfrentam fome. Cerca de 2 milhões de outras pessoas estão a um passo da pior fome desde 2011 na Somália. Agricultores, trabalhadores humanitários e autoridades locais dizem que a comida foi transformada em uma arma de guerra, com soldados bloqueando ou roubando a ajuda alimentar.

Em seu relatório, Bachelet também mencionou que ainda há pilhagem de suprimentos de ajuda por soldados.

No entanto, o primeiro-ministro etíope disse: “Não há fome em Tigré.” Falando à BBC News, Abiy disse: “Há um problema e o governo é capaz de consertá-lo”.

Papa Francisco

O relatório do chefe dos direitos da ONU sobre Tigréveio um dia depois que o Papa Francisco exigiu que a ajuda humanitária chegasse às pessoas famintas na região.

Durante sua oração semanal do Angelus, o Pontífice pediu o fim imediato dos combates em Tigray, o retorno da harmonia social e “toda ajuda alimentar e assistência médica sejam garantidas”. Francisco disse ainda que estava pensando no povo de Tigré que foi “atingido por uma grave crise humanitária que expôs os mais pobres à fome. Hoje existe fome! Há fome!”, exclamou.

O post ONU: grave abuso de direitos na região de Tigré, na Etiópia apareceu primeiro em Notícias.

Fonte: Canção Nova
Data: Tue, 22 Jun 2021 18:31:19 +0000

Open chat