Encontro da Igreja no Líbano com o Papa refletirá sobre situação do país

Conheça as implicações da “emergência libanesa” no centro da cúpula eclesial convocada pelo Papa Francisco

Da redação, com Agência Fides

Líbano

Foto: Charbel Karam via Unsplash

Os Patriarcas e Chefes de Igrejas e Comunidades eclesiais presentes no Líbano partem para Roma para na quarta-feira, 1º, participarem do encontro de reflexão e oração pela Terra dos Cedros convocado no Vaticano pelo Papa Francisco.

A intensa programação do dia inclui, entre outras coisas, três sessões de diálogo e discussão entre os presentes, que estarão todos sentados à volta de uma mesa redonda na Sala Clementina. 

Não foi divulgada uma agenda detalhada sobre as questões que estarão no centro das sessões de reflexão comum. Os turbulentos eventos libaneses dos últimos anos nos permitem imaginar pelo menos algumas das questões emergenciais que irão se repetir nas intervenções dos participantes durante a reunião. 

Leia também
.: Líderes das Igrejas no Líbano se reúnem em preparação para encontro com o Papa

Situação política

Desde agosto passado, o Líbano está sem governo. Após a renúncia do primeiro-ministro Hassan Diab, que ocorreu após as explosões mortais que ocorreram em 4 de agosto de 2020 no porto de Beirute, os vetos cruzados entre os blocos políticos e os vários líderes impediram o primeiro-ministro no comando Saad Hariri, líder do Partido Sunita do Futuro, da formação de um novo executivo. 

A paralisia política é agravada por uma emergência social e econômica, da pandemia, que – como sublinhou o patriarca maronita Béchara Boutros Raï em 14 de junho passado – corre o risco de comprometer a subsistência alimentar de metade da população.

Economia 

Nas últimas semanas, a desvalorização atingiu picos vertiginosos: custou-se até 18 mil libras libanesas para comprar um dólar no mercado negro, enquanto o câmbio oficial ainda é de 1570 para um. 

Combustível e eletricidade racionados e assaltos a bancos – como os que ocorreram nos últimos dias em Tiro e Sidon – dão a imagem de um país que mais uma vez parece afundar. A crise político-econômica é lida por alguns analistas como um sintoma de um colapso iminente do modelo de partição que governa toda a arquitetura institucional libanesa e que apesar de tudo tem garantido a paz após os anos ferozes da guerra civil.

A “fórmula” libanesa prevê a participação igualitária de cristãos e muçulmanos ao nível do Parlamento, governo e escritórios institucionais. E o delicado equilíbrio do sistema reserva o gabinete presidencial para um cristão maronita. 

Divisão

Os blocos opostos que dominaram a cena política libanesa por anos também dividem transversalmente os partidos cristãos. O Movimento Patriótico Livre, fundado por Aoun, representa o partido mais votado pelos cristãos, e tem um eixo com o Hezbollah, o partido xiita com seu próprio exército sectário, ligado ao Irã e também militarmente alinhado com a Síria de Assad. 

Por outro lado, grupos cristãos como as Forças Libanesas formaram por anos uma aliança com o Partido Sunita “Futuro” na “Coalizão 14 de Março”, apoiada pela Arábia Saudita.

Em meados de agosto de 2020, em uma tentativa de encontrar novas maneiras de proteger a identidade e as características históricas peculiares do Líbano, o Patriarca Raï estabeleceu em um “Memorando para o Líbano” a proposta de reafirmar solenemente e oficialmente a “neutralidade libanesa” para evitar que a nação, mais cedo ou mais tarde, seja dilacerada pelos confrontos entre blocos geopolíticos que são enfrentados no Oriente Médio. 

O Patriarca Maronita, nos últimos meses, pediu repetidamente que a proposta sobre a “neutralidade” libanesa fosse afirmada e “ancorada” através de uma Assembleia Internacional no Líbano a ser mantida sob o patrocínio. Mas os patriarcas e chefes de outras Igrejas e comunidades eclesiais presentes no Líbano até agora não se pronunciaram oficialmente sobre a proposta do cardeal Raï. 

Refugiados Sírios

O conflito que dilacerou a vizinha Síria por anos levou mais de 1,2 milhão de refugiados sírios a encontrar refúgio no Líbano. Um fenômeno que, segundo vários analistas, contribui a longo prazo para desestabilizar a delicada arquitetura institucional libanesa que garante a convivência das várias comunidades religiosas. 

O patriarca Raï também insistiu repetidamente na necessidade de encontrar formas acordadas para facilitar o retorno dos refugiados sírios ao seu país, também para evitar que a multidão de expatriados sírios no Líbano se tornasse uma “massa de manobra” para reacender confrontos sectários no país. 

A maioria desses refugiados sírios – sublinhou o Patriarca em uma entrevista publicada na Fides- prefere ficar no Líbano, e a comunidade internacional também reforça este propósito, ao afirmar que os refugiados sírios não podem repatriar “porque não há segurança na Síria e é preciso primeiro encontrar uma solução política ”. 

Posição motivada segundo o Patriarca por “propósitos políticos”, que lembra o cenário já vivido na história recente do Líbano com a chegada de refugiados da Palestina: “Os palestinos” recordou o Patriarca Maronita naquela entrevista “estão no Líbano desde 1948. E eles esperam por uma solução política há mais de setenta anos. Uma solução que nunca se tornará realidade. 

Falou-se de uma solução de duas pessoas e dois Estados, mas agora se tornou impossível. Porque aquela terra que estava destinada a ser o Estado Palestino está toda repleta de assentamentos israelenses ”.

Educação

A crise das escolas cristãs. Entre seus muitos efeitos colaterais, a pandemia de Covid-19 no Líbano também teve o agravamento da crise nas escolas cristãs, guarnição histórica da presença cristã na Terra dos Cedros. 

A situação econômica de muitas escolas católicas se deteriorou especialmente a partir do verão de 2017, depois que o governo da época estabeleceu as novas “grades salariais” para os trabalhadores do setor público, incluindo o setor escolar. 

Desde então, a situação já se tornou insustentável, especialmente para as escolas que operam nas áreas urbanas e rurais menos prósperas do país. O agravamento da crise econômica e, em seguida, o fechamento de prédios escolares imposto pela crise pandêmica levaram ao colapso de uma situação já seriamente comprometida. 

Os diretores das escolas cristãs há muito denunciam a total inércia das instituições públicas na preparação de medidas adequadas de apoio à emergência, em que as escolas que funcionam substancialmente de graça nas regiões e áreas urbanas economicamente mais subdesenvolvidas correm o risco de ser destruídas pela crise.

 

O post Encontro da Igreja no Líbano com o Papa refletirá sobre situação do país apareceu primeiro em Notícias.

Fonte: Canção Nova
Data: Mon, 28 Jun 2021 14:48:06 +0000

Open chat