Em Roma, Papa Francisco celebra Missa com os fiéis de Mianmar 

Na homilia, Papa afirmou aos fiéis de Mianmar que Deus escuta o clamor do seu povo e enxuga suas lágrimas

Da redação, com Vatican News

Fiéis de Mianmar

Papa Francisco celebrou com os fiéis de Mianmar residentes em Roma./ Foto: REUTERS/Remo Casilli

“Hoje quero depor sobre o altar do Senhor os sofrimentos do vosso povo e rezar convosco para que Deus converta os corações de todos à paz. Que a oração de Jesus nos ajude a guardar a fé mesmo nos momentos difíceis, ser construtores de unidade, arriscar a vida pela verdade do Evangelho. E não percais a esperança! Jesus ainda hoje reza ao Pai e intercede por todos nós, para que nos guarde do maligno e nos livre do poder do mal.”

Foi o que disse o Papa na missa na manhã deste domingo, 16, – VII Domingo da Páscoa –, em muitos países também Ascensão do Senhor, celebrada com os fiéis birmaneses na Basílica de São Pedro, sinal de proximidade do Santo Padre para com o povo deste país do sudeste asiático, que passa por uma fase difícil de violências e opressões após o golpe militar de 1º de fevereiro passado.

Comentando o Evangelho pouco antes proclamado, Francisco ressaltou que ao aproximar-se o momento de carregar no seu coração e na sua carne todo o pecado do mundo, Jesus continua a amar-nos e reza por nós. “A partir desta oração de Jesus aprendamos, também nós, a atravessar os momentos dramáticos e dolorosos da vida”, foi o convite do Santo Padre.

Em seguida, Francisco deteve-se de modo particular no verbo guardar usado por Jesus na sua oração ao Pai. “Queridos irmãos e irmãs, tendo diante dos olhos Mianmar, o vosso amado país ferido pela violência, o conflito, a repressão, perguntemo-nos: Que somos chamados a guardar?”

Leia mais
.: Bispos e líderes religiosos fazem apelo pela paz em Mianmar
.: Papa reitera apelo por Mianmar, também me ajoelho, que pare a violência

Guardar a fé

Em primeiro lugar, disse o Papa, guardar a fé. “Devemos guardar a fé para não sucumbir à tribulação nem cair na resignação de quem já não vê uma via de saída. Com efeito, antes das palavras, o Evangelho faz-nos contemplar uma atitude de Jesus: rezava”, prosseguiu Francisco.

“Guardar a fé é manter o olhar voltado para o céu, quando na terra se combate e derrama sangue inocente. É não ceder à lógica do ódio e da vingança, mas ficar com o olhar voltado para o Deus do amor que nos chama a ser irmãos entre nós.”

A este ponto de sua reflexão, o Pontífice destacou que a oração é a única arma que temos para guardar o amor e a esperança no meio de tantas armas que semeiam morte.

“Talvez nos venha vontade de protestar, gritar o nosso sofrimento também a Deus: não devemos ter medo de o fazer; também isso é oração. Em certos momentos, é uma oração que Deus atende mais depressa que outras, porque nasce dum coração ferido, e o Senhor sempre escuta o clamor do seu povo e enxuga as suas lágrimas”, frisou o Papa.

Guardar a unidade

Um segundo aspecto do guardar, disse, guardar a unidade. Jesus reza ao Pai para que guarde os seus na unidade. São muitos os pecados contra a unidade: “as invejas, os ciúmes, a procura de interesses pessoais em vez do bem de todos, os juízos contra os outros. E estes pequenos conflitos que existem entre nós refletem-se depois nos grandes conflitos, como o que tem vivido nestes dias o vosso país”.

Quanta necessidade há de fraternidade, sobretudo hoje, frisou. “Sei que algumas situações políticas e sociais são maiores do que vós, mas o empenho pela paz e a fraternidade nasce sempre de baixo: cada qual, na medida das suas possibilidades, deve fazer a própria parte.”

“Cada um há de empenhar-se, na medida das suas possibilidades, por ser um construtor de fraternidade, um semeador de fraternidade, há de trabalhar por reconstruir o que se rompeu em vez de alimentar a violência. Somos chamados a fazê-lo, também como Igreja: promovamos o diálogo, o respeito pelo outro, a custódia do irmão, a comunhão!”

Guardar a verdade

Por fim, enfatizou, guardar a verdade. Jesus pede ao Pai para consagrar na verdade os seus discípulos, que são enviados por todo o mundo a fim de continuar a sua missão. “Guardar a verdade não significa defender ideias, tornar-se guardiões dum sistema de doutrinas e dogmas, mas permanecer ligados a Cristo e consagrados ao seu Evangelho.”

Francisco lembrou que Jesus reza para que os discípulos, vivendo no mundo, não sigam os critérios deste mundo. Que não se deixem fascinar pelos ídolos, mas guardem a amizade com Ele; que não dobrem o Evangelho às lógicas humanas e mundanas, mas guardem íntegra a sua mensagem. Guardar a verdade significa ser profeta em todas as situações da vida, isto é, consagrar-se ao Evangelho e tornar-se sua testemunha mesmo quando o preço a pagar seja o de ir contra corrente.

“Ser fiéis ao Evangelho e artesãos de paz onde há guerra, violência, ódio significa comprometer-se, mesmo através das opções sociais e políticas, arriscando a vida. Só assim podem mudar as coisas.”

Antes de concluir, Francisco fez uma premente exortação: “O Senhor não precisa de gente tíbia: quer-nos consagrados na verdade e na beleza do Evangelho, para podermos testemunhar a alegria do Reino de Deus mesmo na noite escura da tribulação e quando o mal parece mais forte.”

O post Em Roma, Papa Francisco celebra Missa com os fiéis de Mianmar  apareceu primeiro em Notícias.

Fonte: Canção Nova
Data: Sun, 16 May 2021 13:41:41 +0000