Dia Mundial do Refugiado: acolher para a construção de uma comunidade

Padre Camillo Ripamonti, presidente do Centro Astalli, comenta data de hoje 

Da redação, com Vatican News

refugiado

Migrantes venezuelanos./ Foto: CNBB

Neste domingo, 20, é celebrado o Dia Mundial do Refugiado. Olhar para a carga de sofrimento que cada pessoa carrega como bagagem. Esta é a perspectiva que as Nações Unidas nos convidam a considerar o Dia Mundial do Refugiado sobre o tema: “Juntos podemos fazer a diferença” para exigir a plena inclusão dos refugiados em todas as esferas da sociedade, do trabalho ao estudo e ao esporte.

Os números divulgados pela ONU são um retrato de um fenômeno crescente, envolvendo 82 milhões de pessoas fugindo da violência, dos conflitos e dos efeitos da mudança climática. O que é impressionante é o fato de que nem mesmo a pandemia parou o fluxo de refugiados e pessoas deslocadas. As portas estão fechadas em muitos países; mais de 160 nações bloquearam suas fronteiras, 99 estados não abriram uma exceção mesmo para aqueles que buscam proteção. Dados da ONU mostram que apenas uma pequena parte dos que fogem procuram um porto seguro na Europa ou nos países do mundo rico: a grande maioria dos refugiados do mundo – quase nove em cada dez (86%) – são acolhidos por países próximos a áreas de crise e por países de baixa e média renda. Os países menos desenvolvidos deram asilo a 27% do número total de pessoas em fuga.

Leia mais:
.: Papa pede acolhimento e integração de migrantes e refugiados
.: Papa pede atenção a intolerância e xenofobia contra migrantes

Acolhimento que se torna comunidade

Nos últimos dias, o Centro Astalli, o serviço jesuíta para refugiados na Itália, organizou um diálogo sobre o “rosto da hospitalidade”; uma oportunidade “de promover uma nova definição de proteção internacional que se baseia em um renovado desejo de paz entre os povos e consubstancia nossas relações com os migrantes”. O convite é para encontrar um novo “nós” para construir um futuro diferente. Padre Camillo Ripamonti, presidente do Centro Astalli lembra que “apesar de estarmos 70 anos após a Convenção de Genebra que protegeu o direito e a dignidade das pessoas obrigadas a fugir, nos encontramos em uma situação em que o número de refugiados é muito alto e não mostra sinais de diminuir porque as guerras e perseguições continuam pelo mundo inteiro”.

O direito de permanecer em sua própria terra

Para o jesuíta, os direitos daqueles que fogem muitas vezes não são garantidos e, portanto, ele adverte contra o entrincheiramento das nações e o bloqueio de todo acesso, como acontece na Europa. Ele explica que é necessário adotar uma abordagem diferente, ou seja, garantir “um acolhimento que se torne uma construção comunitária com pessoas que vêm de outra parte do mundo”. É necessário”, explica o Padre Ripamonti, “garantir o direito de permanecer na própria terra que não consideramos, ou talvez consideremos apenas do nosso ponto de vista”. O presidente do Centro Astalli exorta, na esteira de muitos pronunciamentos do Papa Francisco, a sonhar com um novo mundo, “para construirmos juntos um futuro comum, em vez de nos dividirmos”.

O post Dia Mundial do Refugiado: acolher para a construção de uma comunidade apareceu primeiro em Notícias.

Fonte: Canção Nova
Data: Sun, 20 Jun 2021 12:47:57 +0000

Open chat